terça-feira, 20 de outubro de 2009

Ode boêmia

Queria eu um só de pensamento
que esclarecesse o amor por minha boemia
as cervejas, as luas, o relento
Em botequins, a noite vadia

Violões sambantes e trovas mil
O causo nosso de cada dia
Cantava ali o destino tão vil
A escarnecer aquelas vidas vazias

Somos pensadores formados bebums!
em loucos planos de picardia
A resposta pra dor de cada um
Tambem guerra, saúde e economia

Por isso, tomemos mais um gelada
se em duas noites seguidas, que bom isso seria!
A esperar outro sol, tomemos todas as rodadas
sem perder lugar na roda da boemia

Um comentário:

Bia disse...

Estou gostando do estilo irônico...